Repórter da Globo é “atropelado” por viatura policial em telejornal ao vivo.

Um repórter da Rede Amazônica, afiliada da TV Globo na região Norte do Brasil, foi “atropelado” por

uma viatura policial em Jaru (RO) enquanto fazia uma transmissão ao vivo no telejornal local, “Jornal de

Rondônia – 1ª Edição”. A transmissão foi rapidamente interrompida depois do incidente.

Rinaldo Moreira estava falando sobre a prisão de um idoso, que tentava renovar a carteira de habilitação

falsa. Ele foi empurrado para fora do ângulo da câmera por um carro da polícia que estava na marcha à

ré e não percebeu a presença do repórter atrás.

Percebendo o imbróglio, a apresentadora Gabriela Cabral imediatamente chamou a imagem para o

estúdio. “Infelizmente, tivemos um problema com Rinaldo Moreira ao vivo, devido a um pequeno

acidente”, narrou Gabriela. Minutos depois ele retornou ao telejornal e tranquilizou os telespectadores.

“Está tudo tranquilo. São coisas que acontecem.“ Falou o profissional.

Vale lembrar que acidentes ao vivo como esse, não é novidade. No ano de 2016, uma estudante de

jornalismo foi atropelada por uma carreta e morreu enquanto fazia matéria sobre acidentes de trânsito.


Laura Karan Jacob estagiava desde o início do ano no jornal “Diário da Região“O acidente ocorreu,

segundo a polícia, por que o motorista da carreta seguia transportando 40 toneladas de soja e quando

avistou a jornalista, não teve tempo nem de frear nem desviar. Algumas pessoas saqueavam os

caminhões no momento do acidente, o que poderia ter contribuído para o atropelamento.

Já em 2015, outra repórter por pouco não se tornou vítima de outro acidente, enquanto gravava uma

matéria também sobre o alto número de acidentes de trânsito em Franca, interior de São Paulo. Aline

Castelo Branco filmava a passagem em uma avenida, quando um motorista avançou e quase à atropelou.

“Eita. Quase eu ia, hein?”, disse ela, que ia ser atropelada por um motorista que falava ao celular.