Ela Ganhou um urso e morreu 3 dias depois. Quando viram o que o brinquedo tinha entenderam o por que.

Um ursinho de pelúcia era o que Ana mais queria no mundo, ela tinha apenas 6 anos e tinha medo da escuridão, então, quando chegava a hora de dormir, demorava muito para adormecer. Ela sempre escapava à meia noite para a cama de seus pais, Elisa e Diego. Quando eles se recusaram a deixá-la ficar, ela chorou tão forte que até acordou os vizinhos.

Seu pai a amava muito e trabalhava longas horas em uma maquiladora para poder levar Ana na escola, trazer comida para sua casa e comprar o que ela precisava para estar bem, já que a pequena ficava muito doente. Apesar de tudo, seus pais conseguiram cuidar bem dela.

Eles passavam por tempos complicados; eles viviam em um bairro simples, sua casa era de madeira e, apesar de um ano atrás, seu pai ter arrecadado dinheiro para consertar o chão da casa, seu quintal ainda estava sujo, havia animais vagos em todos os lugares, um lugar não muito agradável para viver. Apesar de todos os problemas e deficiências, Ana estava sempre sorrindo, era o que iluminava o rosto de seu pai após 13 horas de trabalho diário.

O aniversário da garotinha estava prestes a chegar, era uma data muito aguardada para Ana, porque, embora não recebesse nenhum presente, sua mãe tomava grandes esforços para preparar encilhadas de queijo verde, seu prato favorito e seu pai chegaria cedo do trabalho, apenas para ter mais tempo com ela. Mas naquele ano, apesar das dificuldades, foi diferente.

O pai, Diego, chegou à casa com um pacote, que estava embrulhado com papel prateado e uma fita azul. O pai conseguiu recolher um pouco de dinheiro para comprar um presente. Seus olhos brilhavam, ela estava feliz porque nunca tinha recebido nada antes.

A emoção da menina cresceu quando seu pai lhe disse: “Abra meu amor, é para você. Feliz aniversário”. A garotinha abraçou seu pai com força e depois de rasgar o papel tirou um urso Teddy da caixa. “Obrigado, papai, era o único que eu queria”, disse a garota quando ela apertou seu novo boneco, “eu não vou mais ter medo do escuro“.

Sua esposa perguntou-lhe estranhamente, onde ele havia conseguido o dinheiro para comprar o brinquedo, mas Diego só lhe disse que o havia comprado de um homem na rua, um cara que vendia roupas usadas e brinquedos, mas o importante era que sua menina estava feliz. No entanto, essa alegria durou muito pouco tempo. Dois dias depois de seu aniversário, a menina começou a espirrar e tossir durante a noite, eles deram remédio e ela então dormiu pacificamente, no entanto, os desconfortos não acabaram por aí.

No dia seguinte, sua mãe notou que a garotinha estava um pouco agitada, e quando ela escovou os dentes para ir à escola, ela cuspiu sangue, o líquido veio de suas gengivas. Quando a menina chegou da escola, ela estava pálida e tremia, estava com muito frio, mas quando sua mãe tocou sua testa, percebeu que estava queimando de febre. “Mamãe, não posso respirar”, disse a garota, enquanto ela caia no chão.

Elisa, sua mãe, ficou horrorizada ao ver sua garotinha com os dentes cheios de sangue e notou que seus braços estavam cobertos de manchas estranhas. Ela chamou uma ambulância e seu marido imediatamente. Quando chegaram ao hospital, os médicos agiram rapidamente e conseguiram revitalizá-la por alguns segundos. Seu pai veio correndo até o hospital e viu sua menina na maca, estava pálida, com lábios brancos e manchas vermelhas que apareceram em todo o corpo.

Os médicos não conseguiram encontrar o que estava acontecendo com a garota, embora depois de vários estudos descobrissem que ela tinha rickettsia. Esta doença adicionada a alergias afetou muito a pequena. O corpo de Ana não resistiria mais. A doença tinha sido espalhada para a menina por várias picadas de carrapatos, mas como era possível se ela não tinha nenhum cachorro ou gato?

Seu pai estava em estado de choque, não podia acreditar no que estava acontecendo e depois de um tempo a menina pediu-lhe um último favor: pegar seu urso; Ele entrou na sala com o urso na mão e entregou a sua filha… que com uma voz fraca disse suas últimas palavras:

“Papai, não chore, eu não tenho medo do escuro de qualquer maneira”. Ana morreu naquela noite no hospital, três dias depois de completar 7 anos. As enfermeiras estavam prestes a tomar o corpo da pequena quando um deles gritou com horror “Que horror!” E jogou o urso da menina no chão, ao bater no chão, vários carrapatos começaram a sair…

Seu pai não podia acreditar… a morte da menina tinha sido sua culpa quando ele estava apenas procurando um presente especial para sua filha. Depois que o funeral da pequena Ana acabou, e para que ela não mais receba a escuridão, seu pai deixou um novo ursinho em seu túmulo.

Ele nunca ousou confessar a sua esposa que ele realmente achou o urso em terras abandonadas e apenas lavou-o antes de dar a sua filha, sem verificar e sem se certificar de que estava em boas condições. Mas, no hospital todos ficaram sabendo da história e rapidamente a esposa de Diego também soube, como já não havia mais nada para ser feito a mulher decidiu não culpar seu marido, pois naquele momento e pelo resto de sua vida ele se sentiria culpado pela atitude que teve. Sua culpa seria sua própria punição.

Embora parece só uma lenda, o caso aconteceu no México e foi divulgado para alerta desse tipo de doença.