Mãe perde bebê e loja de móveis que montou seu quarto dá a melhor resposta para ela

A dor de perder um filho é dilacerante. São pequenos seres que os pais aprendem a amar antes mesmo de conhecerem o mundo. E é ai que começam os preparativos para sua chegada. Entre roupinhas, móveis, brinquedos, mora a ansiedade para enfim pegar a criança nos braços pela primeira vez e cuidar dela como se fosse a única pessoa no mundo.

Foi isso mesmo que aconteceu com a empresária Renata Marino. Ela planejou todas as coisas com uma arquiteta, que é sua amiga, para deixar o quarto da sua bebê, Bella, que estava por vir, o mais lindo possível. Em maio deste ano, ela viu a filha nascer no que seria um momento mais que especial em sua vida. Mas, 10 dias depois, Bella acabou falecendo, deixando uma dor imensa na mãe.

No seu tempo, após alguns meses, Renata resolveu que deveria fazer alguma coisa com os móveis do quarto que havia montado:

Eu não conseguia nem entrar no quarto. No começo, eu pensei em nem desmontar, pensei que iria engravidar de novo e ter outro filho, mas o espaço começou a ficar tomado por um vazio, como se fosse um fantasma, aí eu resolvi desmontar. Empacotei tudo e não mexi nos móveis, fiquei com medo de mexer e estragar, porque eram móveis delicados.”, contou ao Estadão. Ela fez uma postagem contando sobre a decisão e a arquiteta se ofereceu para ajudá-la.

Resposta inesperada:
Então, a arquiteta entrou em contato com a loja onde elas compraram os móveis para saber detalhes sobre a desmontagem dos produtos e quanto eles cobrariam pelo serviço. Mas a resposta que recebeu foi outra totalmente surpreendente e inesperada:

” E, diferentemente de qualquer outra loja deste mundo atual em que vivemos, eles me deram duas opções lindas: ou mandariam um funcionário desmontar e embalar tudo e, quando eu quisesse, eles mandariam novamente uma pessoa para montar tudo, sem custo, ou então viriam buscar os móveis e me devolveriam todo o dinheiro”, disse Renata em sua postagem no Facebook. Ela disse que conversou com o marido e decidiu que optaria pela segunda opção, pois quando tiver outro filho quer que ele tenha tudo novo, só para ele.

Ao entrar em contato para acertar os detalhes com a loja, quem a atendeu disse: “nós vendemos mais que móveis, vendemos sonhos. E se o seu não foi do jeito que você queria, não faz sentido você ficar com esses móveis”. Em sua postagem, ela ainda conta que ao desmontarem os móveis, os funcionários foram extremamente delicados e atenciosos com ela e sua dor, a fazendo se sentir especial. Postura louvável da empresa em meio à tanta falta de educação e de compaixão!

Foto: Reprodução/ Renata Marino Senise
Fonte: Estadão (E+)